terça-feira, 10 de janeiro de 2023

Obrigada, 2022. Bem-vindo 2023!

Salve, pessoal! Espero que esteja bem. Feliz 2023! Mais um ano se passou, e venho aqui no blog para escrever o primeiro post desse ano. Sinto que 2023 promete muitas coisas boas, e espero compartilhar tudo com vocês.

Uau, que ano atípico 2022 foi! Nosso país passou por inúmeros desafios: a má gestão de um governo irresponsável, vai e vem da pandemia, uma eleição histórica e difícil (na qual a democracia felizmente venceu). Foi difícil passar por essa turbulência de emoções, mas sinto que cresci muito. Também perdi minha Jade (nossa cadelinha) para uma doença nos rins e acho que essa foi a pior parte do meu ano. Cherrie, a irmã dela, segue todo dia me lembrando que a vida é alegria e ela tem me ajudado a passar por isso com menos tristeza. Jadoca segue no coração <3

Nesse ano, em relação ao meu trabalho, também cresci demais. Realizei sonhos: ilustrei 3 livros (para a infância e para jovens), dirigi um clipe de música do cantor Reynaldo Bessa, iniciei minha pós graduação sobre "O livro para a infância" na Casa Tombada e conheci pessoas incríveis de vários lugares do Brasil. 



Eu e o livro "Uma escada de areia até o céu", escrito por Dilan Camargo, Ilustrado por mim e publicado em 2022 pela Editora do Brasil.



Turma linda dessa pós-graduação que me ensina tanto <3

Nesse ano também participei da minha primeira Bienal do Livro em SP como ilustradora! Curti muito todos os dias e conheci pessoalmente os autores dos livros que ilustrei (logo conto mais!).

Uma Nat muito feliz na Bienal do Livro de SP, em 2022


Nesse ano de 2022 também fui em shows de artistas que há muito tempo eu gostaria de conhecer:  Nando Reis, Lenine, Capital Inicial, Lagum e a banda norte-americana Black Pumas.

Também fiz uma reforma no meu "quarteliê" e deixei ele muito mais espaçoso para criar e trabalhar.

Reforma do Ateliê

Tenho muito a agradecer e espero que 2023 continue trazendo mais eventos que façam os olhos brilharem e o coração sorrir, apesar de tudo.

Nesse Janeiro, já começo ilustrando um novo projeto de livro ilustrado/picturebook e estou muito feliz! Mal posso esperar pra trazer novidades pra vocês. Bom começo de ano!

Um abraço,

Nat Grego

10 de janeiro de 2023


quarta-feira, 7 de dezembro de 2022

Making Of do clipe "O Futuro Que Me Alcance"

Salve, amig@s! 

Hoje compartilho com vocês um pequeno making of que fiz para o nosso clipe.

_Música de Reynaldo Bessa
@reynaldobessa
https://www.instagram.com/reynaldobessa/

_Direção do clipe, Animação e Making of de Nat Grego
@nat.grego
https://www.instagram.com/nat.grego/
www.natgrego.com

_Produção Musical de Marcelo Abud
@abudmarcelo
https://www.instagram.com/abudmarcelo/

Abraços,

Nat

terça-feira, 29 de novembro de 2022

Storyboard de "O Futuro Que Me Alcance"

    Amig@s, como alguns de vocês já sabem, estou animando o clipe "O Futuro Que Me Alcance" do músico e cantor Reynaldo Bessa (@reynaldobessa). Desde 2021 estamos trabalhando nesse projeto e agora, em janeiro de 2023, ele será oficialmente lançado. Compartilho com vocês uma página do Storyboard que fiz. O meu objetivo para esse projeto sempre foi criar uma animação fluída e orgânica, então eu queria que o storyboard fosse assim também. Por isso, optei por fazê-lo de forma totalmente tradicional, com nankin sobre papel.

    Esses desenhos de composição foram essenciais para comunicar a direção do clipe e também para me orientar durante esse processo que levou mais de um ano. Gosto de fazer anotações sobre movimentos de câmera, dos personagens, e tudo aquilo que me ajude a organizar o trabalho.

    Essa etapa criativa é uma das que mais gosto, pois é no storyboard que um filme ganha seus primeiros enquadramentos e imagens que ecoarão na obra final. Logo trarei mais dos bastidores! Espero que gostem.

Abraços,
Nat

quarta-feira, 23 de novembro de 2022

Teaser | Videoclipe | "O Futuro Que Me Alcance" - Reynaldo Bessa

Depois de tanto trabalho, (milhares de) desenhos, horas criando, rabiscando e pensando, finalmente o lançamento do clipe "O Futuro que me alcance" do músico e cantos Reynaldo Bessa está no pertinho!

Estou dirigindo e animando o videoclipe para a belíssima canção, e agora tenho a alegria de anunciar que em dezembro de 2022 teremos o lançamento oficial! Enquanto ele não chega, deixo vocês com esse teaser lin-do <3




Música - Reynaldo Bessa | https://www.instagram.com/reynaldobessa/

Direção e Animação - Nat Grego | https://natgrego.com/ || https://www.instagram.com/nat.grego/

Produção Musical - Marcelo Abud | https://www.instagram.com/abudmarcelo/


quarta-feira, 9 de novembro de 2022

Processos criativos na era touch

    Salve, pessoal! 

    Estou aqui hoje para falar sobre um vídeo que fiz há mais de um ano e que está publicado no meu canal do YouTube. Em 2021, durante a pandemia, resolvi alimentar o canal com um pouquinho dos meus processos criativos. As redes sociais dos artistas muitas vezes trazem a ideia de que o conteúdo que está lá apareceu magicamente no feed, sem esforços e sem todo um tempo de criação por trás daquela obra/imagem. Obviamente, todo ofício tem seus processos que demandam tempo, trabalho e geralmente esses processos são desconhecidos por quem não trabalha na área. No entanto, especialmente na era touch, onde a imagem reina, acho importantes que nós artistas da imagem pensemos sobre a instantaneidade da imagem nessas plataformas e quais percepções isso pode gerar em quem nos acompanha.

    Depois de um bate-papo com alguns ilustradores no Filexpandido, comecei a perceber que nós, artistas presentes nas redes sociais, também contribuímos para uma percepção limitada sobre o nosso ofício ao mostrar nas plataformas apenas a arte final (sem antes compartilhar os processos que nos fizeram chegar nela). É a tal da vida editada, onde só a parte atraente aparece, dispensando o cru, o que realmente faz a vida. Todo mundo sabe que esse cru nem sempre é bonito e que mostrar exige uma dose de desapego dos ideais que temos sobre nós mesmos. Desapego esse que estou tentando trabalhar.

    Pensando na criação de uma imagem artística, excluir os bastidores desses compartilhamentos em rede é também a exclusão do tempo que levamos para fazer aquele trabalho, do tempo que testamos opções, do tempo de estudo, exploração e aprendizado para chegar nos resultados que chegamos. Significa excluir os materiais que testamos inúmeras vezes até chegar no resultado que expressa nossa sensibilidade, excluir os erros, as frustrações e as ansiedades que vêm junto do processo criativo.

    Excluir o processo é excluir o contexto e a história que fez aquele trabalho ser possível. Acho que nesse sentido nós criadores temos uma responsabilidade: a de compartilhar a história daquela obra. Penso que essa é também uma forma de ressignificar o resultado final, descolando dele a ideia fantasiosa de instantaneidade (que hoje é a essência das imagens feitas por inteligências artificiais, cada vez mais comuns no meio virtual). Acho que as lives com artistas e relatos, por exemplo, fazem muito bem esse papel.

                                                       Speedpainting - YouTube | 2021

    O tempo e os recursos que empregamos para realizar uma obra agregam a ela valor, e em tempos de instantaneidade e aceleração do tempo percebido, esse valor merece ser enfatizado. Sei que o processo criativo não pode ser totalmente mostrado pois para isso seria necessário trazer cada pessoa para dentro do estúdio, do ateliê e até mesmo da mente do artista para mostrar o que se passa por lá enquanto ele cria. Sabemos que isso é impossível de capturar, já que estamos falando da experiência humana, no entanto, o que tenho me desafiado a fazer de agora em diante é mostrar um pouco mais dos bastidores na esperança de colaborar com essa percepção sobre o processo.

    Nesse vídeo que fiz para meu canal, gravei uma"Speedpaint": uma pintura em guache sobre papel que aparece em time-lapse, num tempo acelerado. O vídeo não dá uma exata dimensão do tempo que levei para fazer a arte (sem os cortes e a aceleração, o vídeo teria algumas horas), mas já dá uma ideia de processos para aquilo nascer. Gosto muito de acompanhar os processos de outros artistas: vendo como a mão deles se movimenta para chegar nas soluções, sinto que meu corpo também se mobiliza para criar. A mobilização para fazer, para criar, além de expressão talvez também seja uma forma de não alienação

    Espero que gostem do vídeo e, quem sabe, se mobilizem a pausar com esse pequeno fragmento de tempo.



    Abraços, 

    Nat

    9 de novembro de 2022